Catequese do Papa sobre sua viagem à África – 02/12/15

 

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Nos dias passados, realizei a minha primeira viagem apostólica à África. É bela a África! Dou graças ao Senhor por esse seu grande dom, que me permitiu visitar três países: primeiro o Quênia, depois Uganda e enfim a República Centro-Africana. Exprimo novamente o meu reconhecimento às autoridades civis e aos bispos destas nações por terem me acolhido e agradeço a todos aqueles que de tantos modos colaboraram. Obrigado de coração!

O Quênia é um país que representa bem o desafio global da nossa época: proteger a criação reformando o modelo de desenvolvimento para que seja igualitário, inclusivo e sustentável. Tudo isso se reflete em Nairóbi, a maior cidade da África oriental, onde convivem a riqueza e a miséria: mas isso é um escândalo! Não somente na África: também aqui, em todo lugar. A convivência entre riqueza e miséria é um escândalo, é uma vergonha para a humanidade. Em Nairóbi tem sede o escritório das Nações Unidas para o Ambiente, que visitei. No Quênia, encontrei as autoridades e diplomatas e também os moradores de um bairro popular; encontrei os líderes das diversas confissões cristãs e das outras religiões, os sacerdotes e os consagrados e encontrei os jovens, tantos jovens! Em toda ocasião encorajei a valorizar a grande riqueza daquele país: riqueza natural e espiritual, constituída pelos recursos da terra, das novas gerações e dos valores que formam a sabedoria do povo. Neste contexto tão dramaticamente atual, tive a alegria de levar a palavra de esperança de Jesus: “Sejais fortes na fé, não tenhais medo”. Este era o lemae da visita. Uma palavra que é vivida todos os dias por tantas pessoas humildes e simples, com nobre dignidade; uma palavra testemunhada de modo trágico e heróico pelos jovens da Universidade de Garissa, mortos em 2 de abril passado porque eram cristãos. O sangue deles é semente de paz e de fraternidade para o Quênia, para a África e para todo o mundo.

Depois, em Uganda, a minha visita aconteceu na comemoração dos mártires daquele país, a 50 anos da sua histórica canonização pelo beato Paulo VI. Por isso o lema era: “Sereis minhas testemunhas” (At 1,8). Um lema que pressupõe as palavras imediatamente precedentes: “Tereis força do Espírito Santo”, porque o Espírito que anima o coração e as mãos dos discípulos missionários. E toda a visita a Uganda se desenvolveu no fervor do testemunho animado pelo Espírito Santo. Testemunho em sentido explícito é o serviço dos catequistas, a quem agradeci e encorajei pelo seu empenho, que muitas vezes envolve também suas famílias. Testemunho é aquele da caridade, que toquei com a mão na Casa de Nalukolongo, mas que vê empenhadas tantas comunidades e associações no serviço aos mais pobres, aos deficientes, aos doentes. Testemunho é aquele dos jovens que, apesar das dificuldades, protegem o dom da esperança e procuram viver segundo o Evangelho e não segundo o mundo, vão contra corrente. Testemunhas são os sacerdotes, os consagrados e as consagradas que renovam dia após dia o seu “sim” total a Cristo e se dedicam com alegria ao serviço do povo santo de Deus. E há um outro grupo de testemunhas, mas falarei delas depois. Todo esse multiforme testemunho animado pelo mesmo Espírito Santo é fermento para toda a sociedade, como demonstra a obra eficaz realizada em Uganda na luta contra a Aids e no acolhimento aos refugiados.

A terceira etapa da viagem foi na República Centro-Africana, no coração geográfico do continente: justamente, é o coração da África. Esta visita foi, na verdade, a primeira na minha intenção, porque aquele país está procurando sair de um período muito difícil, de conflitos violentos e tanto sofrimento na população. Por isso quis abrir justamente lá, em Bangui, com uma semana de antecedência, a primeira Porta Santa do Jubileu da Misericórdia, como sinal de fé e de esperança para aquele povo e simbolicamente para todas as populações africanas as mais necessitadas de redenção e de conforto. O convite de Jesus aos discípulos: “Passemos para a outra margem” (Lc 8, 22), era o lema para a República Centro-Africana. “Passar para a outra margem”, em sentido civil, significa deixar para trás a guerra, as divisões, a miséria e escolher a paz, a reconciliação, o desenvolvimento. Mas isso pressupõe uma “passagem” que acontece nas consciências, nas atitudes e nas intenções das pessoas. E neste nível é decisiva a contribuição das comunidades religiosas. Por isso encontrei as comunidades evangélicas e aquela muçulmana, partilhando a oração e o empenho pela paz. Com os sacerdotes e os consagrados, mas também com os jovens, partilhamos a alegria de sentir que o Senhor ressuscitou conosco na barca e é Ele que a guia para a outra margem. E enfim, na última Missa, no estádio de Bangui, na festa do apóstolo André, renovamos o empenho de seguir Jesus, nossa esperança, nossa paz, Face da divina Misericórdia. Aquela última Missa foi maravilhosa: estava cheia de jovens, um estádio de jovens! Mas mais da metade da população na República Centro-Africana são menores, têm menos de 18 anos: uma promessa para seguir adiante!

Gostaria de dizer uma palavra sobre missionários. Homens e mulheres que deixaram a pátria, tudo…Quando jovens foram para lá, conduzindo uma vida de tanto trabalho, às vezes dormindo no chão. Em um certo momento encontrei em Bangui uma irmã, era italiana. Via-se que era idosa. “Quantos anos tem?”, perguntei. “81”. “Mas, não muito, dois a mais que eu”. Esta senhora estava lá desde quando tinha 23, 24 anos: toda a vida! E como ela, tantas. Estava com um uma menina. E a menina, em italiano, lhe dizia: “Vovó”. E a irmã me disse: “Mas eu não sou daqui, do país vizinho, do Congo; mas vim de canoa, com essa menina”. Assim são os missionários: corajosos. “E o que a senhor a faz, irmã?”. “Eu sou enfermeira e depois estudei um pouco e me tornei obstetra e fiz nascer 3280 crianças”. Assim me disse. Toda uma vida pela vida, pela vida dos outros. E como essa irmã, há tantas, tantas: tantas irmãs, tantos padres, tantos religiosos que doam a vida para anunciar Jesus Cristo. É belo ver isso. É belo.

Eu gostaria de dizer uma palavra aos jovens. Mas, há pouco jovens, porque a natalidade é um luxo, parece, na Europa: natalidade zero, natalidade 1%. Mas me dirijo aos jovens: pensem o que fazem da vida de vocês. Pensem nessa irmã e em tantas como ela, que deram a vida e tantas morreram, lá. A missionariedade não é fazer proselitismo: dizia-me essa irmã que as mulheres muçulmanas vão até ela porque sabem que as irmãs são enfermeiras boas que cuidam bem delas e não fazem catequese para convertê-las! Dão testemunho; depois, a quem quer, dão a catequese. Mas o testemunho: essa é a grande missionariedade heróica da Igreja. Anunciar Jesus Cristo com a própria vida! Eu me dirijo aos jovens: pense no que vocês estão fazendo das suas vidas. É o momento de pensar e de pedir ao Senhor que faça vocês sentirem a sua vontade. Mas não excluir, por favor, essa possibilidade de se tornar missionário, para levar o amor, a humanidade, a fé em outros países. Não para fazer proselitismo: não. Isso fazem quantos procuram uma outra coisa. A fé se prega antes com o testemunho e depois com a palavra. Lentamente.

Louvemos juntos ao Senhor por essa peregrinação na terra da África e deixemo-nos guiar pelas suas palavras-chave: “Sejais fortes na fé, não tenhais medo”; “Sereis minhas testemunhas”; “Passemos para a outra margem”.

 

Franciscus PP

Boletim de Imprensa da Santa Sé

Anúncios
por Católicos na Rede Postado em Papa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s