Casamento: caminho de felicidade

Autor: Comunidade Shalom

Uma reflexão importante para os casais que buscam crescer no amor

Vamos refletir sobre a vida conjugal como fonte de felicidade para a família. O casal que experimenta o amor de Deus começa um caminho único de busca de união com Ele pela sua Palavra, pela oração e pela vivência cotidiana do amor, cerne de toda a Lei que Jesus veio aperfeiçoar.

Não se tem dúvida de que a vida a dois comporta grandes desafios! Mas também grandes lutas e conquistas se permearmos nossa relação na proposta do Evangelho.

O casal deve construir juntos um relacionamento de grande amizade. Todos nós certamente já experimentamos o que seja uma grande amizade. Relembremos um pouco:

 

– o amigo aceita o outro como é;

– o amigo é confiável e confia;

– o amigo ajuda e cuida;

– o amigo perdoa;

– o amigo é sincero;

– o amigo respeita;

– o amigo pede perdão quando “pisa na bola” e emenda-se para que a amizade se renove e solidifique mais;

– o amigo compreende e compartilha a dor do outro;

– o amigo procura não sufocar o outro;

– o amigo compartilha seus dons;

– o amigo está presente nas alegrias e também nas dores.

Bem, se a amizade autêntica funciona assim, quanto mais deve ser a relação do casal, que pelo Sacramento do matrimônio se tornam uma só carne!

Tornar-se uma só carne é aprender a colocar-se no lugar do outro; olhar as situações também a partir da perspectiva do outro. É desenvolver a empatia. Ninguém maltrata a sua própria carne, como nos orienta a Palavra. É cuidar do outro como deve cuidar de si.

O prazer é um dom de Deus e é oferecido a nós por Ele de diversas formas: a arte, em suas diversas expressões – a música, a pintura, a escultura, a dança, entre outras –; a natureza, com suas inúmeras paisagens que extasiam o nosso olhar; o carinho e afeto gratuitos e desinteressados; uma saborosa comida; o prazer sexual; uma boa noite de sono, enfim, são tantos! E se forem vividos adequadamente são fonte de alegria e fraternidade.

Quando falamos do prazer sexual, sabemos que é um dom de Deus para o casal que se ama e se une no Sacramento do matrimônio. Esse dom é fonte de unidade, comunhão e alegria, quando vivido na plenitude do dom de si ao outro. Dom de si que cresce antes e para além do ato conjugal, o qual se torna o coroamento desta mútua entrega cotidiana.

O ato conjugal que é usado como instrumento para manipulações – chantagens, punições, etc. – e outras atitudes centralizadoras, como a busca individualista do próprio prazer, tem como fruto frustração, vazio, fechamento, divisão, ciúmes, julgamentos, etc. Desse contexto surgem os mecanismos de compensação prazerosa que o casal começa a buscar – ativismo, gulodices, e outros apetites.

Ao contrário, quando o ato conjugal é construído a partir de um cotidiano permeado de gestos de amor mútuo, tais como: diálogo, respeito, divisão de tarefas em casa, cuidado, atenção, afeto, enfim, presença como dom de si, colhe-se frutos de alegria autêntica, os fardos se tornam leves, os filhos são seguros e felizes. É a confirmação prática das palavras de Jesus:

“Vinde a mim vós que estais cansados sob o peso de vossos fardos e Eu vos aliviarei… Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas” (Mt 11,28-29).

O repouso da busca desenfreada do prazer; da luta desenfreada de prevalecer; da luta desenfreada do individualismo, da dominação, da manipulação e da posse; do desgaste das discussões, brigas, ressentimentos; do ativismo profissional; enfim, do egocentrismo, do orgulho e do egoísmo.

O mais interessante é que este repouso não é conquistado sem lutas, sem desafios. Porém, os resultados são infinitamente maiores do que o esforço, já que este pode contar com a potente graça de Deus.

Mas o que de valor se conquista sem lutar? Até mesmo as coisas lícitas e retas no mundo se alcançam com persistência, esforço e dedicação. Vejamos:

– os atletas das Olimpíadas, os corredores profissionais que se exercitam o ano todo para a Corrida de São Silvestre;

– os bons profissionais estão sempre estudando para aperfeiçoar sua prática e obter melhores resultados.

 

Realmente, as conquistas que obtemos com empenho e esforço pessoal, têm maior valor para nós. Talvez, por isso, o Senhor, que nos salvou, quer nos dar o céu com a nossa participação, para que nos sintamos colaboradores com Ele.

Entrave na vivência da comunhão conjugal

Considero um dos maiores entraves na vida conjugal o rancor ou ressentimento, que gosto de chamar “ranço”. É aquele gosto meio amargo numa comida que já começa a se estragar… Ou seja, dizemos para nós mesmos que já perdoamos, mas relembramos, sentindo de novo a raiva, a ira, o desgosto… É como se esta pequena parte de comida estragada fosse colocada como tempero naquela refeição fresquinha que estamos degustando… Então não aproveitamos plenamente dela, porque, ao final, fica o ranço!

O que fazer? Lembro-me daquela passagem do Evangelho em que Jesus ordena ao homem da mão seca que a estenda diante dele para que seja curada (Mt 12,9-13). Da mesma forma é preciso expor ao nosso Bom Pastor esta parte ferida para que seja verdadeiramente curada. Expor para Jesus o fato, expor os sentimentos, pedir ajuda, abrir-se à graça de Deus, escutá-lo no silêncio do coração e na sua Palavra e examinar a consciência, lembrando sempre que em qualquer relação humana existem os dois lados e nenhum deles é totalmente inocente. Fazer uma boa confissão, perdoar, e deixar o Senhor restaurar a imagem do outro dentro de você, com os seus dons e qualidades, relembrando os gestos bons, etc. E, então, mãos à obra de novo, no empenho ascético – no esforço – de quebrar o gelo, dialogar sem mágoas, nem acusações, expor suas necessidades e amar em gestos.

Discussões, às vezes, são inevitáveis quando agimos movidos pela ira, pelos impulsos, sem pesar nem mediar as palavras. Quando isto acontecer, é preciso retomar o caminho sem armas na mão – sem defesas ou ataques – quando passar as emoções fortes, resgatando tudo o que refletimos acima.

Se os filhos presenciaram indevidamente a discussão, é preciso então que eles presenciem depois de tudo resolvido um momento simples de perdão e reconciliação, para que se sintam seguros com os pais, que sabem reconhecer que erram, e para que também aprendam a pedir perdão e viver a reconciliação.

O autoconhecimento

O autoconhecimento é fundamental para que vivamos bem nossas relações em geral e especialmente a relação conjugal. Pelo processo de autoconhecimento vou percebendo minhas feridas, fraquezas, limitações e pecados. Mesmo sendo doloroso, porque, pelo orgulho é difícil aceitarmos ter defeitos, é salutar, uma vez que o autoconhecimento traz consigo:

– a humanização da pessoa;

– o crescimento na humildade necessária aos relacionamentos frutuosos;

– o desenvolvimento da capacidade de perdoar, de tolerar as fraquezas do outro;

– o desenvolvimento da capacidade de perceber que o outro também é suscetível às feridas emocionais da sua história de vida, o que desperta em nós um maior interesse em conhecer o outro mais profundamente, para compreendê-lo melhor e amá-lo como precisa.

Com a humildade, desperta-se o olhar para as virtudes do cônjuge, valorizando-o mais, favorecendo a paciência com suas fragilidades e aprende-se a expressar as próprias fragilidades e necessidades, sem cobrar nem acusar.

Na família, o amor é provado com gestos.

Em muitas situações da vida familiar acontecem desgastes nas relações, dificultando o entendimento através das simples palavras, pois as feridas estão sangrando, as defesas estão em estado de alerta e os ataques, preparados.

Então, é hora de recolher-se para estreitar a intimidade com Deus, expor tudo a Ele, pedir ajuda e, depois, mãos à obra na reconstrução! A reconstrução, especialmente nestes casos de desgastes, é feita pelos gestos de amor, expressos em cuidado, serviço, oferta de si generosa, discreta e desinteressada para que os muros possam cair aos poucos e se restabeleça o diálogo autêntico, até que chegue novamente a paz, o calor humano, o amor genuíno. É preciso dizer que isto é obra da graça de Deus e com a abertura da nossa vontade.

Esse caminho na família é um processo diário e constante. Posso afirmar que os frutos são doces como o mel e que à medida que passam os anos, tornam-se mais preciosos, uma vez que, aproximando-se a velhice – com tantos percalços – teremos armazenado na adega esses vinhos, cujo tempo vai mostrando sua preciosidade. Para usar uma linguagem coloquial: quando as chatices, as “ranzinzisses”, as doenças, as impaciências, as limitações físicas crescentes aparecerem, será preciso mais paciência, mais tolerância e mais amor. Buscaremos nesses vinhos as boas lembranças, a comunhão vivida, a vida doada…, enfim, a alegria e o vigor – que é próprio dos bons vinhos – para continuarmos o caminho juntos, até que a morte nos separe!

E o vinho dos filhos?

Estes também, se foram bem preparados e armazenados – na adega do Senhor, com a graça de Deus – serão saborosos.

Ou seja, se vivenciaram na família:

– o respeito, saberão respeitar;

– o calor humano, saberão acolher;

– o cuidado e o amparo, também serão movidos a cuidar e a amparar;

– o diálogo, os levará a escutar e compreender;

– e se vivenciaram a tolerância mútua e a paciência, o perdão e a reconciliação, estarão curados para amar!

E se o casal alimentou a experiência com o amor de Deus na vida familiar, os filhos, ao terem sede, saberão também buscar a Fonte da Água que realmente sacia.

Um brinde ao prazer de ser família cristã!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s