O casamento é um dom natural e sobrenatural de Deus

Theresa Notare*

A Sagrada Escritura revela que Deus criou o casamento natural para o bem de todos e que Cristo o redimiu e elevou a sacramento

A Sagrada Escritura revela que Deus criou o casamento para o bem do seu povo. O casamento, afinal, é uma bênção para todos, inclusive para os não casados, já que ele nutre os cônjuges, alimenta a família e constrói a sociedade. Estes pontos muito simples, mas de extrema importância, estão no coração da visão católica sobre o casamento. Eles são os ingredientes que nos permitem dizer que o casamento é uma vocação, um verdadeiro caminho de santidade na vida.

É Deus, conforme proclama a Igreja católica, o autor do casamento. No mundo contemporâneo, cujo foco está quase sempre nos talentos e nas habilidades de homens e mulheres, é fácil achar que até o casamento esteja sujeito à inventividade humana. Mas a nossa fé nos diz o contrário: “O casamento não é (…) um efeito do acaso nem um produto da evolução de forças naturais inconscientes; o casamento é uma sábia instituição do Criador para realizar na humanidade o seu desígnio de amor” (Humanae vitae, 8).

O casamento é uma “bênção original” que Deus deu aos homens e mulheres desde o “princípio do mundo” para o bem da humanidade. A linguagem figurativa do Gênesis conta que Deus criou os homens e mulheres “à Sua imagem” (Gn 1,27). Ser feitos à imagem de Deus tem um significado profundo. Só a humanidade contém na sua natureza tanto o mundo material quanto o mundo espiritual (Catecismo da Igreja Católica, 355). Só os homens e mulheres são “capazes de conhecer e amar” a Deus (Catecismo, 356, citando Gaudium et Spes, 12). Só os homens e mulheres podem compartilhar o amor de Deus. Essa nobre vocação significa que cada homem e cada mulher possui o dom de dar e receber um amor altruísta, fiel, total, permanente e frutífero. Não é exagero dizer que cada um de nós tem a capacidade de dar e receber amor. Esta é a nossa herança como seres criados à imagem de Deus.

Quando nos casamos, isto quer dizer que temos a capacidade de nos entregar ao cônjuge amado e que estamos preparados para receber o amor do cônjuge. Todos sabemos, é claro, que alguns de nós não são bons comunicadores ou foram terrivelmente feridos por uma série de acontecimentos da vida, mas, apesar das feridas pessoais, todos nós temos a capacidade de dar e receber amor. Isto faz parte do dom de Deus para homens e mulheres.

Esses dons de Deus assumem significado único se partilhados no casamento, porque Deus inscreveu “a vocação ao matrimônio na própria natureza do homem e da mulher” (Marriage: Love and Life in the Divine Plan [Casamento: Amor e Vida no Plano Divino], Conferência dos Bispos Católicos dos EUA, págs. 1 e 7, no original em inglês). O casamento é um dom sagrado ou abençoado que Deus deu aos homens e mulheres para o bem da humanidade. Primeiro, é vontade de Deus que os “elementos essenciais” do casamento sejam um homem e uma mulher, com a complementaridade da sua masculinidade e feminilidade e com todos os seus dons naturais e sobrenaturais. Se não há um homem e uma mulher, o casamento não pode existir como Deus o planejou.

O casamento é voltado à continuidade da vida humana sobre a Terra. Como os bispos norte-americanos escreveram nesse documento, as “raízes do casamento podem ser vistas no fato biológico de que um homem e uma mulher podem se unir como macho e fêmea tendo o potencial de trazer à luz outra pessoa humana” (pág. 10). O casamento é pessoal, como podemos facilmente observar. Deus fez o casamento para o bem-estar do homem e da mulher como indivíduos. O casamento “não existe meramente para a reprodução de outro membro da espécie”; Deus criou o casamento “para a criação de uma comunhão de pessoas” (págs. 10 e 11). O casamento existe para a vida do casal e para a vida da família, e, por conseguinte, para a vida do mundo.
Tão essencial é a dádiva do casamento que ela não foi perdida com o pecado original: foi, isto sim, redimida por Cristo e tão elevada por Ele a ponto de se tornar um dos sete sacramentos para os batizados. Dessa forma, Cristo restaurou a bênção original do casamento em sua plenitude, tornando-a sinal visível do Seu amor pela Igreja. O casamento no Senhor significa que o autêntico amor conjugal humano “é assumido no amor divino e dirigido e enriquecido pela força redentora de Cristo e pela ação salvífica da Igreja, com o resultado de os cônjuges serem efetivamente levados rumo a Deus e ajudados e fortalecidos em seu papel sublime como pais e mães” (Gaudium et Spes, 48).

Como dom, o casamento não pode ser forçado. É um dom a se receber com gratidão e a se viver de acordo com o plano de Deus. Podemos, é claro, estar abertos a receber de Deus este dom do casamento. Podemos nos unir a pessoas que têm a mesma fé e esperança. Podemos também, periodicamente, fazer um pouco de “purificação pessoal”. Podemos nos despojar de tudo o que pode atrapalhar a preparação do casamento.

O casamento é também um presente que os cônjuges dão um para o outro quando se dão livremente e aceitam o outro completamente (de corpo, mente e alma, incluindo, no conceito de corpo, a própria fertilidade). O casamento é formado quando um homem e uma mulher fazem votos de compartilhar a vida juntos. “É uma parceria de toda a vida e para a vida toda, de fidelidade mútua e exclusiva, estabelecida pelo consentimento mútuo entre um homem e uma mulher” (Marriage: Love and Life in the Divine Plan, págs. 7 e 8).

Quando um homem e uma mulher recebem o dom do matrimônio, eles abrem a porta para uma vida que demanda continuamente que eles se deem e se recebam. É quase como se eles tivessem sempre novos presentes para dar, receber, abrir e usar, todos os dias da sua vida conjugal. Nossa fé nos ensina que é vontade de Deus que os casais recebam e nutram esses dons. Quando eles o fazem, afinal, o seu amor transborda e se torna um dom para os seus filhos, para a sua família, para a comunidade local e para o mundo todo. Quando os casais aceitam e vivem o presente divino do amor conjugal, eles dão testemunho da sua generosidade e do seu amor em todos os aspectos da sua vida de casados. Eles participam da Comunhão dos Santos, que viveram vidas de amorosa generosidade.

*Thereza Notare é Diretora Assistente do Programa de Planejamento Familiar Natural, da Conferencia dos Bispos dos Estados Unidos (USCCB)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s