Mensagem do Papa Francisco a líderes religiosos mundiais – 8/9/2014

Mensagem do Papa Francisco por ocasião da 28ª edição do Encontro Internacional Homens e Religiosos

A S.E. Johan Jozef Bonny
Bispo de Anversa

Peço-lhe gentilmente para transmitir minhas calorosas saudações aos representantes das Igrejas cristãs e das comunidades eclesiais e aos muitos chefes das religiões mundiais reunidos em Antuérpia de 7 a 9 de setembro de 2014 para o Encontro Internacional para a Paz. Agradeço à diocese de Anversa e à Comunidade de Santo Egídio por terem organizado este encontro no qual homens e mulheres de diferentes tradições religiosas estão reunidos em uma peregrinação de oração e de diálogo inspirados no “espírito de Assis”.

O tema do encontro deste ano – A paz é o futuro – recorda o surto dramático da Primeira Guerra Mundial há cem anos, e evoca um futuro no qual o respeito recíproco, o diálogo e a cooperação ajudarão a banir o sinistro fantasma do conflito armado. Nestes dias em que não poucos povos no mundo precisam ser ajudados a encontrar o caminho da paz, este aniversário nos ensina que a guerra não é nunca um meio satisfatório para reparar as injustiças e alcançar soluções equilibradas para as discórdias políticas e sociais. No final, todas as guerras, como afirmou o Papa Bento XV em 1917, é uma “matança inútil”. A guerra arrasta os povos para uma espiral de violência que depois se mostra difícil de controlar; destroi aquilo que gerações trabalharam para construir e prepara o caminho para injustiças e conflitos ainda piores.

Se pensarmos nos inúmeros conflitos e guerras, declaradas e não declaradas, que hoje aflingem a família humana e arruínam a vida dos mais jovens e idosos, envenenando relações duradouras de convivência entre grupos étnicos e religiosos diversos e obrigando famílias e comunidades inteiras ao exílio, é evidente que, junto a todos os homens e mulheres de boa vontade, não podemos permanecer passíveis diante de tanto sofrimento e de tantas “matanças inúteis”.

É neste sentido que as nossas várias tradições podem, no “espírito de Assis”, dar uma contribuição para a paz. Podemos fazê-lo com a força da oração. Todos nós percebemos que a oração e o diálogo são profundamente correlacionados e se enriquecem mutuamente. Eu espero que estes dias de oração e de diálogo sirvam para recordar que a busca pela paz e pela compreensão através da oração pode criar laços duradouros de unidade e prevalecer sobre paixões de guerra. A guerra nunca é necessária, nem inevitável. Pode-se sempre encontrar uma alternativa: é o caminho do diálogo, do encontro e da sincera busca pela verdade.

Chegou o tempo dos líderes das religiões cooperarem com eficácia para a obra de curar as feridas, de resolver os conflitos e de procurar a paz. A paz é o sinal seguro do compromisso para a causa de Deus. Os líderes das religiões são chamados a serem homens e mulheres de paz. São capazes de promover uma cultura do encontro e da paz, quando outras opções falham ou vacilam. Devemos ser construtores de paz e as nossas comunidades devem ser escolas de respeito e de diálogo com aquelas de outros grupos étnicos ou religiosos, lugares nos quais se aprende a superar as tensões, a promover relações justas e pacíficas entre os povos e os grupos sociais e a construir um futuro melhor para as gerações que estão por vir.

Com estes sentimentos, invoco sobre todos aqueles que participam do Encontro e sobre todos aqueles que o apoiam com suas orações as bençãos do Deus da Paz (cfr Rm 15, 33).

Franciscus PP

Boletim de Imprensa da Santa Sé

Anúncios
por Católicos na Rede Postado em Papa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s