Alhos e bugalhos na Catequese

Padre Zezinho, SCJ

Não faz muito tempo, um pregador razoavelmente bem informado, confundiu alhos com bugalhos, coisa que eu também já fiz, mas tenho feito bem menos, porque levo comigo uma Bíblia e uma concordância de textos que consulto antes de começar uma transmissão.

Qual o erro? Disse que o centurião romano pediu a Jesus que curasse sua filha. E narrou toda a história, aliás, tocante, confundindo o centurião romano que pedia por seu servo (Mt 8,5-13)com Jairo o chefe da sinagoga que pedia por sua filha. ( Mc 5,22; Mt 9,18-23)   Trocou o centurião romano por Jairo, o chefe da sinagoga. Lucas no capítulo 7, 1-16 diz que o centurião romano citado em Mt 8,5-13) até construíra uma sinagoga para os judeus. Era, pois, um romano que amava os judeus.

O pregador com toda a boa fé confundiu os episódios. Aconteceu com ele, já aconteceu comigo e acontece com freqüência em todas as igrejas. Mas acontecerá menos se antes de subirmos ao púlpito sabendo qual será o tema, lermos outra vez as passagens que citaremos.

Há casos bem mais notórios como o daquele pastor pentecostal que disse que os cristãos enviaram Pedro, Paulo e Barnabé para a Samaria. Na verdade os enviados foram Pedro e João (At 8,14)…. Paulo e Barnabé foram enviados a Jerusalém. (At 15,2) Não menos grave foi o do padre católico que afirmou com absoluta convicção que Paulo fora discípulo de José de Arimatéia.   Na verdade Paulo afirma ter sido criado aos pés de Gamaliel.( At 22,3)  E houve aquele pregador leigo que garantiu que Jesus batizou milhares de judeus.   Não deve ter lido João 4,2 que afirma que Jesus pessoalmente não batizava. Quem o fazia eram seus discípulos.

É desculpável quando não fere nenhum dogma. Mas quando alguém afoito afirma que Jesus conversou com Lúcifer e o expulsou  daquele possesso e que Lúcifer precipitou aqueles porcos ao mar; quando o outro diz que Jesus nasceu numa humilde casa em Nazaré e quando outro afirma que, na última ceia, Jesus cortou seu dedo indicador com o qual tantas vezes apontara para o céu e deixou cair uma gota de seu precioso sangue no cálice, então estamos mais para Dan Brown do que para Mateus ou Marcos…

Padres, leigos, irmãos que pregam em todas as igrejas, -e eu me incluo entre os admoestados-, deveríamos anotar os textos que pretendemos citar. Pode haver e há alguns pregadores que realmente sabem de cor e salteado os trechos bíblicos, mas a maioria não tem memória tão prodigiosa.  Não é nada agradável falar como quem sabe e mostrar que não sabia!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s