“Uma semana especial para a Família”

Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques

Arcebispo de Fortaleza

Todos os anos, no mês de agosto, mês dedicado às diversas vocações na Igreja, celebra-se a Semana da Família. É significativa a comemoração do Dia dos Pais no segundo domingo de agosto. Ligada a esta comemoração, já há diversos anos realiza-se a Semana da Família.

Por que este destaque especial à Família na vida eclesial e na ação evangelizadora da Igreja.

Sempre a Família foi reconhecida ambiente eclesial. Desde os inícios da História da Igreja, passou pelas famílias o caminho do Evangelho. Já nos Atos dos Apóstolos vemos que o anúncio do Evangelho vai repercutir na vida das pessoas e em seu ambiente natural fundamental, a família. Assim serão convertidas e batizadas famílias inteiras (cf. At. 10 e 16)

Será assim que, a família – primeira comunidade humana natural, se constituirá em célula da Igreja – Igreja doméstica. Ali se reúnem dois ou mais em nome de Cristo e, como Ele mesmo prometeu, está no meio deles.

A história humana é toda ela marcada de engrandecimento de um lado e de ataques à instituição familiar por outro. A humanidade ferida pelo pecado é ambígua em suas realizações. Muitos males que brotam no coração humano ferem os relacionamentos familiares e degeneram as estruturas sociais a partir da célula familiar.

A graça salvadora de Cristo é oferecida à humanidade para sua redenção. Ela toca as pessoas humanas no mais íntimo de seu ser. O Evangelho é oferecido respeitosamente à inteligência e à liberdade de cada pessoa humana. Já o prólogo do Evangelho segundo João (cap. 1) nos apresenta esta misericordiosa e estupenda obra de Deus: 9 Esta era a luz verdadeira, que vindo ao mundo a todos ilumina. (Jesus – o Verbo feito carne) 10 Ela estava no mundo, e o mundo foi feito por meio dela, mas o mundo não a reconheceu. 11 Ela veio para o que era seu, mas os seus não a acolheram. 12 A quantos, porém, a acolheram, deu-lhes poder de se tornarem filhos de Deus: são os que crêem no seu nome. 13 Estes foram gerados não do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. 14 E a Palavra se fez carne e veio morar entre nós. Nós vimos a sua glória, glória que recebe do seu Pai como filho único, cheio de graça e de verdade. … 16 De sua plenitude todos nós recebemos, graça por graça. 17 Pois a Lei foi dada por meio de Moisés, a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. 18 Ninguém jamais viu a Deus; o Filho único, que é Deus e está na intimidade do Pai, foi quem o deu a conhecer.”

Em sintonia e continuidade com o VII Encontro Mundial das Famílias, que ocorreu em Milão nos dias 1 a 3 de junho p.p., promovido pelo Pontifício Conselho para a Família, a Semana da Família no Brasil, promovida pela CNBB, a se realizar entre os dias 12 e 18 de agosto próximo, dedica-se ao tema: “Família – o trabalho e a festa”. Sempre propondo o aprofundamento da vida familiar no Evangelho de Jesus para que a vida familiar seja iluminada e potenciada pela fé.

Não temos apenas o que de obscuro e tenebroso a dizer sobre a realidade familiar hoje. Temos muita luz e testemunho de realização e felicidade na família que encontrou seu Caminho, sua Verdade e sua Vida.

O Papa Bento XVI assim se referia à evangelização da família em sua homilia no encontro de Milão: “O projeto de Deus para o casal humano alcança a sua plenitude em Jesus Cristo, que elevou o matrimônio a Sacramento. Com um dom especial do Espírito Santo, queridos esposos, Cristo faz-vos participar no seu amor esponsal, tornando-vos sinal do seu amor pela Igreja: um amor fiel e total. Se souberdes acolher este dom, renovando diariamente o vosso «sim» com fé e com a força que vem da graça do Sacramento, também a vossa família viverá do amor de Deus, tomando por modelo a Sagrada Família de Nazaré. Queridas famílias, pedi muitas vezes, na oração, o auxílio da Virgem Maria e de São José, para que vos ensinem a acolher o amor de Deus como o acolheram eles. A vossa vocação não é fácil de viver, especialmente hoje, mas a realidade do amor é maravilhosa, é a única força que pode verdadeiramente transformar o universo, o mundo.

Daí a feliz conclusão a ser trabalhada como reconstrução da mesma realidade familiar: “Família, trabalho, festa: três dons de Deus, três dimensões da nossa vida que se devem encontrar num equilíbrio harmonioso. Harmonizar os horários do trabalho e as exigências da família, a profissão e a paternidade e maternidade, o trabalho e a festa são importantes para construir sociedades com um rosto humano. Nisto, privilegiai sempre a lógica do ser sobre a do ter: a primeira constrói, a segunda acaba por destruir. É preciso educar-se para crer, em primeiro lugar na família, no amor autêntico: o amor que vem de Deus e nos une a Ele e, por isso mesmo, «nos transforma em um Nós, que supera as nossas divisões e nos faz ser um só, até que, no fim, Deus seja “tudo em todos” (1 Cor 15, 28)» (Enc. Deus caritas est, 18). Amém.”  Bento XVI

Como não perceber atuante a força renovadora do Evangelho de Jesus para a renovação da vida humana, a recriação da família humana, a reconstrução da sociedade humana!

FONTE: Arquidiocese de Fortaleza

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s