Maio: tempo de evangelização

Dom Orani João Tempesta, cisterciense-Arcebispo do Rio de Janeiro

O mês de maio, na tradição popular, é um mês carregado de significados e celebrações, é também um dos meses temáticos do ano. É dedicado à Virgem Maria, às mães e às noivas. Um enaltecer da figura feminina que, com Maria, ganha novas dimensões e formato na história humana. As nossas igrejas ficam iluminadas, floridas e festivas ao celebrarem essas festas. Em muitas tradições, crianças vestidas como anjinhos e carregando os símbolos da fé cristã coroam, normalmente no final do mês, Nossa Senhora, e lhe prestam as mais merecidas e belas homenagens.

Embora a temática de maio como Mês Mariano não se inclua no calendário oficial litúrgico da Igreja, a mesma acolhe e aproveita esta aclamação popular para evangelizar e ressaltar vários aspectos fundamentais da fé cristã católica. Aproveitando a cultura do Hemisfério Norte, que atribui a este mês o aspecto primaveril e busca iluminá-la sob o enfoque da fé cristã, maio torna-se o mês da mulher por excelência, a santa mãe de Deus, a Virgem Maria. Nela estão o modelo e as virtudes necessárias a toda mulher para uma vida saudável, feliz e em sintonia com seu único e verdadeiro salvador, Jesus Cristo.

Maio é o mês das novenas, das festas, das alegrias! Maio nos recorda o sino chamando para a festa de Maria. Uma evangelização inculturada, arraigada na fé e nos costumes nascidos do coração humilde do nosso bom povo. O Documento de Aparecida ressalta que são crescentes em toda a América Latina e Caribe as manifestações da religiosidade popular, especialmente a piedade eucarística e a devoção mariana (cf. DA nº 99 b), e acrescenta mais à frente que a inculturação da fé é um bem precioso do tesouro espiritual da Igreja, que vai crescendo a cada dia mais.

Assim, afirma o documento: “Com a inculturação da fé, a Igreja se enriquece com novas expressões e valores, manifestando e celebrando cada vez melhor o mistério de Cristo, conseguindo unir mais a fé com a vida, e assim contribuindo para uma catolicidade mais plena, não só geográfica mas também cultural. No entanto, esse patrimônio cultural latino-americano e caribenho se vê confrontado com a cultura atual, que apresenta luzes e sombras. Devemos considerá-la com empatia para entendê-la, mas também com uma postura crítica para descobrir o que nela é fruto da limitação humana e do pecado” (DA nº 479).

Nas festas de Maria, na oração do terço, nas coroações e homenagens feitas à mãe de Deus aparece de modo explícito o valor de Maria na história de salvação da humanidade, o reconhecimento do povo a seu papel de fundamental importância e o desejo de que, imitando Maria, possamos tornar nosso coração mais parecido com o de Jesus. Coração por ela plenamente conhecido, já que conviveu tão de perto com seu Filho, transmitiu-lhe valores e o apoiou incondicionalmente no que diz respeito a cumprir plenamente a vontade e o projeto do Pai.

 

As virtudes do Reino de Deus, tais como a alegria, a esperança, a fé, a caridade, a pureza, a castidade e a oração são aspectos ressaltados nas devoções marianas do mês de maio. As comunidades transmitem esses valores nas músicas, orações e homenagens realizadas, contagiando a todos com espírito nobre de humildade e de simplicidade. As famílias se aproximam ainda mais do altar do Senhor. Junto com as crianças vêm seus pais e mães, amigos e familiares homenagear Nossa Senhora.

Tempo de evangelização e anúncio de Jesus Cristo e seu Reino para as famílias que às nossas igrejas acorrem. Nossas crianças, de fato, se tornam anjos a apontar o caminho que nos leva a Jesus. Os andores com a imagem da Virgem e de Nosso Senhor percorrem as ruas e caminhos de nossos municípios, em procissão, recordando a todos, especialmente aos enfermos e aos afastados, que Deus se faz presente em nosso meio e caminha conosco nas estradas da vida.

O terço colocado nas mãos de Maria e em nossas próprias mãos recordam nossa necessidade de ir a Deus pela oração e santidade de vida. Os sinais que utilizamos nos recordam fatos e dons: a coroa recorda a vitória própria de quem correu e combateu o bom combate da fé; as flores lembram a comunidade, um grande jardim de Deus, onde a beleza está na diversidade das cores, na pluralidade das formas e na manifestação da unidade em meio à diversidade, aludindo, assim, à vida em comunidade: somos diferentes, pensamos diferentes, mas juntos podemos mais.

Maio recorda também as noivas, que buscando em Maria o exemplo das santas virtudes, podem se dedicar sempre mais e melhor ao projeto familiar que buscam consumar e, assim, formar lares felizes e abençoados pela presença de Deus mesmo. O matrimônio, sacramento de singular importância na história da Igreja, quer ressaltar para cada casal o compromisso sempre maior de sermos sinais da aliança com Deus, aliança inquebrantável, fiel e fecunda. Será muito importante fortalecer esse sacramento neste tempo de mudança de época, em que nem sempre ele é levado a sério.

É também o Mês das Mães: mulheres feito dom para que a vida possa surgir. Oferta de si em favor do próximo. Santuários da vida e do amor. Todas as mães podem buscar na figura de Maria o amor, a força e a dedicação para edificarem seus lares sobre o alicerce da fé e da justiça.

Maria traz para toda a Igreja e para a sociedade a importância e o valor da figura feminina. Seus dons e qualidades tão ímpares tornam nossa vida mais afetuosa e saudavelmente mais feliz. A figura de Maria devolve a todas as mulheres sua mais profunda dignidade e recorda-lhes o espírito de serviço à sociedade, de doação em favor da vida, de semeadoras da esperança onde falta o sentido.

Neste final de semana nós nos unimos a todas as famílias que fazem romaria a Aparecida, justamente para buscar o alimento que fortalece a vida familiar e conjugal, e que Maria sempre nos apresenta: Jesus Cristo, nosso Senhor. Toda verdadeira devoção mariana deve nos levar ao encontro com Cristo e a uma nova vida de obediência à vontade de Deus.

 

Estaremos também vivenciando nesta época a festa da Ascensão do Senhor, o Dia Mundial das Comunicações Sociais, a solenidade de Pentecostes, precedida pela novena e pela Semana de Orações pela Unidade dos Cristãos, entre outros acontecimentos deste rico mês.

Com Maria, mulher e mãe, trabalhemos por uma sociedade mais justa e fraterna, por um mundo novo, firmado na cultura da solidariedade que gera partilha, e sejamos discípulos sempre atentos à voz do Mestre e ao ouvir seu som, que se espalha em toda a terra. Como Maria, “façamos tudo o que ele nos disser”.

FONTE: Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro/RJ

Anúncios
por Católicos na Rede Postado em Artigos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s