Santos Para Deus

Padre Inácio José do Vale, OSBM

“O observemos os santos, mas não fiquemos apenas na contemplação deles; procuremos isto sim, contemplar com eles Aquele que preencheu suas vidas”.

Charles de Foucauld
Monge, Padre e Missionário.

Uma pergunta: Por que devemos ser santos?
Devemos ser santos porque somos a habitação de um Deus santo. Um templo que não é santo não é um lugar adequado para o nosso Deus.
“Somos templo do Espírito Santo” (1Cor 6,19). Santuário da beleza, da vida, do amor e da Boa Nova de Cristo.

 Devemos santos porque fomos comprados e lavados por um Salvador santo. Não pertencemos a nós mesmos. Fomos comprados com o preço infinito do sangue e da vida dele.

Devemos ser santos porque fomos justificados com o objetivo de sermos santificados. Cristos “amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra…” (Ef 5,25-26).

Ser santo é nossa vocação. O propósito de Deus para a Igreja não é que ela tenha miríades de programas, grande orçamentos nem que seja capaz de fazer as pessoas se sentiram bem. Seu propósito é tornar-nos santos.

Devemos ser santos, porque somos a Noiva de Cristo. São Paulo Apóstolo escreveu á igreja carnal em Corinto: “porque zelo [sentido original: tenho ciúme] por vós com zelo de Deus; visto que vos tenho preparado para vos apresentar como virgem pura a um só esposo, que é Cristo” (2 Cor 11,2).

Fomos comprometidos em casamento a um Cristo santo. Assim como o vestido branco da noiva representa a mulher que se guardou em castidade e pureza para seu noivo, nosso anseio é estar diante dele um dia vestidos de branco. Poder fazer isso nos trará incalculável felicidade.

“Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas às bodas do Cordeiro cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos” (Ap 19,7.8). Nossa castidade na terra é motivada por nossa expectativa da gloriosa consumação do nosso amor por ele na eternidade.

O Que Significa Ser Santo?

“Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, a fim de purificá-la com o banho da água e santifica-la pela palavra” (Ef 5, 25. 26).

Ser uma Noiva santa significa ser puro em todo o nosso ser. Sem dúvida, inclui ser irrepreensível em todas as questões que são visíveis aos outros: na conduta, na conversa, no modo de se vestir, nos hábitos e no estilo de vida.

A santidade é bem mais profunda, porém, do que aquilo que pode ser avaliado pelos homens. A verdadeira santidade é produzida no coração do cristão, pelo Espírito Santo que habita nele. Significa ser puro no interior, onde somente Deus consegue ver. Significa ter atitudes, valores, pensamentos, e motivações que sejam santos. Ser santo é ser como Jesus: “… santo, inculpável, sem macula, separado dos pecadores” (Hb 7.26). É ser sem macula, sem fingimento, sem qualquer espécie de falsidade ou engano.
Os santos têm ojeriza de hipocrisias e de seus teatros.

Infelizmente, há cristãos que se tem avaliado de acordo com os padrões do mundo e tem se contentado em ser relativo com as coisas espirituais. Em outras palavras, em comparação com a sociedade em geral, consideramos que estamos razoavelmente bem. Entretanto, não existe santidade “relativa”. Não dá para ter só um determinado grau de santidade. Ou o cristão é santo ou está contaminado.

São Paulo queria que os coríntios fossem diligentes e exaustivos na eliminação de todo o fermento da igreja. Nas escrituras, fermento geralmente é uma figura de pecado, de algo que contamina. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? (1 Cor 5,6). Não se pode permitir que qualquer coisa impura venha macular a casa do Deus santo.

São Paulo enfatizou, muitas vezes, a necessidade de ter absoluta pureza moral na Igreja de Jesus Cristo, que entregou a própria vida para santificá-la.  “Mas a prostituição e todo o tipo de impureza ou cobiça nem sequer sejam mencionados entre vós, como convém a santos, nem haja incidências, nem conversas tolas, nem gracejos obscenos… Pois é vergonhoso até mesmo mencionar as coisas que eles [as pessoas não regeneradas] fazem as escondidas” (Ef 5,3.4,12). O que ele está dizendo? Vocês são santos! Portanto, vivam como santos! “Não permitam que pecado algum, por menor que seja, contamine o templo de Deus”.

“Sem santidade genuína e prática, não podemos experimentar a presença manifesta e a glória de Deus no nosso meio. E sem a sua presença, não temos nenhuma diferença essencial de qualquer clube ou instituição social ou instituição religiosa”, escreve o reverendo Del Fehsenfeld Jr.(1).

“Procurai a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, vigiando atentamente que ninguém seja faltoso, separando-se da graça de Deus” (Hb 12,14).

OU SANTOS OU NADA

“O Brasil precisa de santos; o Brasil precisa de muitos santos!” As palavras do Beato Joao Paulo II, em 1991, ainda ecoam forte, a ensinar que santidade não é algo distante, estranho á nossa realidade. O saudoso Papa polonês se empenhou nesse sentido, proclamando santos e beatos mais que todos os papas juntos que o antecederam desde 1538. “Se a igreja de Cristo não é santa, não é a Igreja de Cristo”, dizia Joao Paulo II.
João Paulo II, ao pedir santidade ao Brasil não pensava, é claro, nos santos, digamos, oficiais. Mas numa igreja chamada à semelhança com Deus, que é santo, numa santidade fundamental da Igreja, também na vida dos leigos, capaz de gerar frutos de justiça e paz. No entanto é inegável a importância para a comunidade cristã, especialmente para os mais novos, de modelos, de pessoas que vieram a nossa realidade, pisaram nosso chão e venceram.

O tema santidade também é abordado insistentemente por Monsenhor Jonas Abib, ao ponto de se cunhar a frase/lema: “Ou Santos ou nada”. O fundador da Comunidade Canção Nova dedicou seu apostolado nos meios de comunicação, juntos aos jovens, para se superar o conceito de que a santidade é algo distante, própria de pessoas estranhas ou de super-heróis. Ao contrario, espalhou a semente do trabalho santificado, em que cada ação. Muito ao estilo de São João Bosco, que ensinava aos seus meninos que a santidade consiste em fazer bem as pequenas coisas do dia a dia. São Domigos Sávio é fruto desse “modelo de santidade” (2).

CONCLUSÃO

O ínclito Bispo e Doutor da Igreja São Francisco de Sales diz que a vida dos santos é o Evangelho posto em prática. A nossa grande e definitiva meta cristã é a santificação. A nossa radical realização é viver eternamente com o bom Deus. A mais poderosa obra de evangelização é o nosso testemunho de santificação. A nossa vida só tem sentido quando ela é focada no santo amor de Deus.
Vivendo a doutrina de Cristo e os ensinamentos da Santa Igreja de Deus, alcançaremos as moradas celestiais.

Pe. Inácio José do Vale
Professor de História da Igreja
EFOR-Escola de Formação de Resende-RJ
Pregador de Retiros Espirituais
Especialista em Ciência Social da Religião
E-mail: pe.inaciojose.osbm@hotmail.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s